©2016 por Ana e Isabel Roth

Otávio acreditava que a atividade de um indivíduo o fazia carregar um rótulo, uma espécie de indicador. Ele considerava que sua atividade artística com o papel-arte podia lhe dar um rótulo de papeleiro com um sombreado de artesão, rotulagem mais ligada ao trabalho manual, e muito mais da sua preferência que a resultante do rótulo complementar de intelectual, frequentemente pendurado no pescoço dos artistas. Acreditava também que o papel artesanal deve ser o resultado de um compromisso equilibrado entre o papeleiro-artesão e o artista, de modo a atender uma série de critérios convergentes e indutores da mais alta confiabilidade na própria expressão artística, independentemente de qualquer rótulo. Quando não existe este equilíbrio, a polarização resultante aparece como uma expressão dos conflitos internos causados pela sequencia das perplexidades sentidas perante a sucessão de alternativas consideradas, e cuja solução exige escolhas, sempre dolorosas pelas renúncias parciais nelas implícitas. Otávio sentiu este problema repetidas vezes, porquanto sua sensibilidade de artista o levava frequentemente a imaginar inúmeras e variadas vias alternativas para a expressão de suas visões artísticas, muitas delas com um potencial de dispersão elevado e que poderiam ter significado um distanciamento do papel-arte. Ele sempre voltou ao papel, ao material que abrigou a sua vocação mais forte e persistente, nele configurando um ponto de sustentação e de continuidade na sua incansável criatividade artística, para ampliar e enriquecer sua paleta.

Quando tendo recebido uma bolsa da Fullbright para estudar pintura a óleo na Califórnia, alguns dos marchands que lá o conheceram, descobrindo e aquilatando seu potencial, insistiram para ele continuar neste novo caminho artístico, ficou configurada uma tentação para se desviar do papel. Tudo indica que Otávio não visualizou na pintura a óleo as potencialidades por ele intuídas no papel e que induziram o artista a torná-lo seu celeiro, propiciador de infinitas variações multinterpretativas em participações coletivas, em mutirões artísticos construtivos, num gênero inovador de forte co-criatividade. Ele descobriu e colocou em convincente evidência a existência no papel de atributos materiais essencialmente origamâticos que permitiram envolver, congregar pessoas para motivá-las convergentemente, nelas reativando  uns resíduos de criatividade artístico-artesanal, parcialmente inativos, por esquecidos ou inibidos, no mais profundo dos poços da memória, naquele rincão distante onde se refugiam as lembranças das mais autênticas criatividades infantis, o mundo que Joao Miró soube ressuscitar nos adultos.

Insatisfeito com o potencial oferecido pelas técnicas tradicionais a óleo, tentou abrir novos caminhos mediante colagens de um bric-à-brac configurado por uma grande diversidade de objetos heterogêneos e cuja expressão o deixou igualmente insatisfeito, ao ponto de preferir atender o apelo vocacional original.E assim o encontramos novamente, dando continuidade a sua incessante procura e insistente pesquisa de novas expressões artísticas por caminhos pioneiros na preparação manual de papéis-arte.

Na abertura destes novos caminhos, ele soube encontrar tempo para uma atividade orientadora muito intensa e de grande fecundidade. Vibrante e apaixonado, profundo conhecedor do papel artesanal e das suas possibilidades e potencialidades, conseguiu grande sucesso na parte mais difícil dos artistas inovadores: converter as formas, volumes e transparências de suas visões coloridas em realidades atraentes, vistosas, sempre intrigantes e convincentes, seguindo as trilhas por ele abertas no seu apostolado pelas mais diferentes categorias do papel-arte.

É difícil escrever sobre Otávio Roth, quando a dimensão temporal que nos separa da sua ausência súbita é ainda insuficiente para apreciar objetivamente a profundidade da irradiação do seu entusiasmo silencioso e contagiante, da essência do seu humanismo. Porque ele era um humanista completo, numa consciência plena tanto dos seus Direitos Humanos como da outra face da mesma moeda, a parte tão frequentemente esquecida que diz respeito aos deveres humanos, por ele exemplificados tão esplendidamente pela sua abnegação e total dedicação artística.

Sobre o pano de fundo acima delineado para o papel-arte, porém, vai se descortinando com força a evidência crescente do perfil ocupado pelo nosso grande artista plástico Otávio Roth. Após dois anos de ter-nos deixado, percebe-se com ofuscante clareza o valor e a transcendência das suas realizações artísticas, a intensidade da influência difusa do seu exemplo, da sua escola na procura permanente de novos caminhos e expressões artísticas, numa atividade contagiante pela sua harmonia e serenidade internas. Tudo isto nos fazendo sentir a imensa dimensão do vazio deixado nos espaços que ele ocupou com sua riqueza de pensamento e visões artísticas pioneiras convincentes, nos círculos concêntricos dos seres mais queridos da família, dos seus amigos mais próximos, assim como na grande roda de suas relações intercontinentais.

Uma antevisão do futuro do papel e sua evolução direcionada para um atendimento da comunicação eletrônica parece ser a razão de um sentimento de perda precoce que induziu o recente despertar de um grande interesse pelos antigos processos usados nas manufaturas papeleiras dos antigos tempos. E são especialmente os artistas plásticos, os responsáveis pelo renascimento das diversas tecnologias de produção artesanal dos papéis feitos à mão e pela recuperação dos seus valores estéticos. É nesse renascimento do valor estético e cultural dos papéis artesanais no Brasil que se apresenta o perfil pioneiro de Otávio Roth.

Leopold Rodés, O Papel, set/1995.